Ir direto para menu de acessibilidade.

Tradução Portal

ptendeites

Opções de acessibilidade

Página inicial > Últimas Notícias > Escravidão, resistência e abolição em Alegrete é tema de palestra na Reitoria
Início do conteúdo da página
Notícias IF Farroupilha

Escravidão, resistência e abolição em Alegrete é tema de palestra na Reitoria

Publicado em Quarta, 27 de Novembro de 2019, 17h23 | por Assessoria de Comunicação | Voltar à página anterior

O IF Farroupilha promoveu uma palestra com o tema "Escravidão, resistência dos escravizados e abolição no Alegrete oitocentista" nesta quarta-feira (27), às 14h, no Auditório da Reitoria, em Santa Maria. A atividade fez parte do Mês da Consciência Negra.

DSC 0884

Foto: o servidor do IFFar - Campus Alegrete, Márcio Sônego, pesquisa a temática da escravidão no curso de doutorado, na UFSM

A palestra faz parte da programação do mês da Consciência Negra no IFFar. Além dela, também foram promovidas uma apresentação de capoeira e a exposição fotográfica "Negras e negros na cultura, na ciência e nos movimentos sociais", que ficou na entrada da Reitoria do IFFar, em Santa Maria, até quarta-feira (27).

A palestra "Escravidão, resistência dos escravizados e abolição no Alegrete oitocentista" foi ministrada pelo servidor do IFFar - Campus Alegrete, Márcio Jesus Ferreira Sônego. Ele é historiador e pesquisa temas relacionados a escravidão em Alegrete no século XIX. Atualmente, Márcio Sônego é presidente do Núcleo de Estudos Afro Brasileiros e Indígenas (NEABI) e foi Coordenador de Ações Inclusivas do campus.

De acordo com Márcio Sônego, a historiografia tradicional muitas vezes tenta diminuir a escravidão ocorrida em Alegrete, alegando não ter existido ou ter sido "leve", sem conflitos. Durante a palestra, o historiador mostrou documentos que comprovam a existência da escravidão e a ocorrência de conflitos entre escravizados e proprietários de terra no município.

Ele também lembrou que, apesar das pessoas escravizadas terem sofrido muita violência, elas não foram apenas sujeitos passivos, mas tiveram papel fundamental de resistência e luta. Entre as formas tradicionais de resistência à escravidão estavam a fuga para quilômbos, suicídio e insurgência contra os senhores. Todas estas formas ocorreram em Alegrete, conforme documentos mostrados pelo servidor do IFFar.

Para Márcio Sônego, o fim da escravidão no Brasil foi mais um processo de emancipação do que de abolição, pois, segundo o pesquisador, os abolicionistas pregavam o fim imediato da escravidão e o pagamento de indenizações para as pessoas escravizadas. Pelo contrário, o fim da escravidão no Brasil se deu através de um processo lento, gradual e com pagamento de indenizações aos proprietários de escravos.

Por fim, Márcio lembrou do papel fundamental dos negros no fim da escravidão. Pessoas negras como José do Patrocínio e Luiz Gama atuaram e foram decisivos para a libertação dos escravos. Este último, por exemplo, atuou como uma espécie de advogado antes da Lei Áurea (publicada em 1888), e conseguiu libertar cerca de 500 pessoas escravizadas baseando-se em legislações emancipacionistas.

A palestra foi promovida pelo Núcleo de Arte e Cultura do IFFar e pelo Projeto Café com Inclusão.

Secom

registrado em:
Fim do conteúdo da página

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha
Alameda Santiago do Chile, 195 - Nossa Sra. das Dores - CEP 97050-685 - Santa Maria - Rio Grande do Sul. Telefone: (55) 3218-9800