Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Sobre a EaD
Início do conteúdo da página
Educação a Distância

Conheça

Publicado em Terça, 07 de Fevereiro de 2017, 12h18 | por Administrador EaD | Voltar à página anterior

A Educação a Distância (EAD) é uma modalidade de ensino prevista no Art. 80 da LDB e regulamentado pelo Decreto 9.057/2017. A EAD caracteriza-se como a modalidade educacional na qual a mediação didático e pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos.

No IF Farroupilha, a EAD nasceu em 2008, através da Escola Agrotécnica Federal de Alegrete, hoje Campus Alegrete, que aderiu ao e-Tec Brasil, programa que consiste em ofertar cursos técnicos na modalidade de EAD, permitindo formar profissionais para o mundo do trabalho e transmitindo conhecimentos a pessoas que não têm condições de se qualificarem em cursos presenciais. Hoje, além do Campus Alegrete, os Campi Santa Rosa, São Borja, Santo Augusto, Júlio de Castilhos, São Vicente do Sul e Panambi também ofertam cursos técnicos na modalidade EAD.

f2ea1ded4d037633f687ee389a571086 logotipo do cone do youtube by vexels Conheça a Educação a Distância do Instituto Federal Farroupilha

 

HISTÓRICO DA EAD NO IF FARROUPILHA

A Educação a Distância, no IF Farroupilha, iniciou através de um programa governamental, e com a adesão do IF Farroupilha à Rede e-Tec Brasil, que será descrita brevemente.

A Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica – SETEC, em parceria com a extinta Secretaria de Educação a Distância – SEED, do Ministério da Educação, lançaram em 13 de dezembro de 2007, pelo Decreto N.º 6.301, o Programa e-Tec Brasil, com o objetivo de ofertar cursos técnicos de nível médio, públicos e gratuitos, na modalidade Educação a Distância (EAD).

A Escola Agrotécnica Federal de Alegrete, hoje Campus Alegrete, em 2008, aderiu ao e-Tec Brasil, passando a ofertar em 2009, 350 vagas para ingresso de estudantes nos Cursos Técnicos em Agricultura e em Agroindústria, e em 2010, 660 vagas, incluindo o Curso Técnico em Manutenção e Suporte em Informática, em sete municípios do Estado do RS. Vale ressaltar que os primeiros polos foram avaliados por comissão designada por Portaria Ministerial e eram compartilhados entre diversas Instituições de Ensino que aderiram ao Programa.

No ano de 2010, o Campus São Borja inseriu-se no Programa e-Tec Brasil ofertando, no ano seguinte, 280 vagas, em cinco municípios, nos Cursos Técnicos em Guia de Turismo, Informática para Internet e Nutrição e Dietética. Em 2011, a Pró-Reitoria de Ensino do Instituto Federal Farroupilha tomou a iniciativa de implementar uma expansão institucional do programa.

De acordo com o Decreto N.º 7.589/2011, que instituiu a Rede e-Tec Brasil, com novas diretrizes, atendendo assim, a uma das ações do PRONATEC, os polos de apoio presencial (como foram inicialmente chamados), eram avaliados de acordo com espaço físico adequado, infraestrutura e recursos humanos necessários ao desenvolvimento das atividades presenciais dos cursos e projetos, previstos nos Planos de Ensino. Dessa forma, para atendimento das solicitações e verificação dos locais indicados, foi constituída uma comissão de avaliação, no IF Farroupilha das cidades-polo, que iniciou suas atividades no segundo semestre de 2011, para averiguar in loco as instalações e emitir um parecer, baseado nos requisitos já citados.

Este trabalho apontou que 22 municípios estavam em condições de ofertar cursos técnicos EAD, em parceria com o IF Farroupilha. Após a conclusão dos trabalhos da comissão, chegou-se ao número de 30 polos, entre novos e antigos, para o Processo Seletivo de 2012. Foi, então, elaborado um Termo de Cooperação para cada município-polo aprovado pelo Instituto, formalizando assim, a parceria e a garantia de ações entre ambos, conforme as normas da Rede e-Tec Brasil e FNDE.

graf11 400x291

No mesmo ano, o IF Farroupilha consolidou sua permanência na Rede, com o ingresso dos demais campi (Júlio de Castilhos, Panambi, Santa Rosa, Santo Augusto e São Vicente do Sul), que ofertaram 12 cursos ao todo, totalizando 2.880 vagas, em 30 municípios atendidos, conforme demonstrado nos Gráficos 01 e 02.

graf22 400x272

Percebe-se que a Educação a Distância cresceu num ritmo expressivo entre os anos 2011 e 2012, com a chegada de mais cursos na EAD. Em seguida, o Campus Alegrete suspendeu a oferta de seus três cursos, pela necessidade de uma reorganização em seus cronogramas, e o Campus São Vicente do Sul, solicitou a extinção do Curso Técnico em Alimentação Escolar, causando uma diminuição no número de vagas no ano de 2013. No ano de 2014, houve uma retomada na expansão desta modalidade, inclusive, pela adesão ao PROFUNCIONÁRIO, na oferta de dois Cursos Técnicos pelo Campus Jaguari e um Curso Técnico pelo Campus Avançado de Uruguaiana.Em 2014, o IFFar ofertou 04 cursos PROFUNCIONÁRIO, sendo 02 no Campus Jaguari: Multimeios Didáticos e Alimentação Escolar, 01 no Campus São Borja: Infraestrutura Escolar, e 01 no Campus São Vicente do Sul: Secretaria Escolar.

Além disso, foram ofertados 07 cursos na forma subsequente, sendo 02 no Campus Alegrete: Técnico em Agroindústria e Técnico em Manutenção e Suporte em Informática; 02 no Campus Santa Rosa: Técnico em Meio Ambiente e Técnico em Vendas; 01 no Campus Panambi: Técnico em Secretariado; 01 no Campus São Borja: Técnico em Informática para Internet; e 01 no Campus Santo Augusto: Técnico em Informática. Em 2015, foram ofertadas 2240 vagas em Cursos Técnicos Subsequentes em 35 Polos EAD de 33 municípios. O Campus Santa Rosa ofertou 560 vagas, distribuídas nos seus Polos com os Cursos Técnico em Alimentos, Técnico em Administração, e Técnico em Meio Ambiente. O Campus Panambi ofertou 400 vagas, distribuídas em seus Polos com os Cursos Técnico em Agronegócio, e Técnico em Secretariado. O Campus Santo Augusto ofertou 200 vagas distribuídas em seus Polos com o Curso Técnico em Informática.

O Campus Alegrete ofertou 320 vagas, distribuídas em seus Polos com os Cursos Técnico em Agroindústria, e Técnico em Manutenção e Suporte em Informática. O Campus São Borja ofertou 160 vagas em seus 04 Polos com o Curso Técnico em Informática para Internet. Pelo Programa PROFUNCIONÁRIO, em 2015, foram ofertadas pelo Campus São Vicente do Sul em 05 Polos o Curso Técnico em Secretaria Escolar e pelo Campus Jaguari 400 vagas, em 10 Polos dos Cursos Técnicos em Multimeios Didáticos e Alimentação Escolar.

Os cursos de idiomas em Espanhol (Campus Santa Rosa) e Inglês (Campus São Borja) foram ofertados pelo programa e-Tec Idiomas Sem Fronteiras, que contempla alunos matriculados, servidores e professores de idiomas da rede pública estadual e municipal. Para oferta destes cursos os Polos foram os Campi do IFFar: Alegrete, Frederico Westphalen, Panambi, Santa Rosa, São Borja, Santo Ângelo, Santo Augusto e Campus Avançado de Uruguaiana. No inicio de 2017, foram pactuadas 800 vagas para os Cursos Técnicos sendo ofertantes o Campus Santa Rosa com o Curso Técnico em Administração; o Campus Alegrete na oferta de 250 vagas para o Curso Técnico em Agroindústria e, pelo Campus Jaguari, mais 250 vagas com o Curso Técnico em Multimeios Didáticos (PROFUNCIONÁRIO). No final de 2017 houve pactuação para mais 200 vagas, sendo contemplado o Campus Santo Augusto para o Curso Técnico em Informática nos Polos de Três-Passos, Santa Maria- Augusto Rusch, Ijuí, e no centro de Referência de Carazinho.

É inquestionável a importância e os benefícios sociais que esta modalidade de educação apresentou, nos últimos anos, no Brasil e no mundo. O que se percebe é que a Educação a Distância está consolidada em diversos países. Sua história não é tão recente quanto se pensa. Há registros de que o marco inicial da Educação a Distância foi no Século XVIII, quando foi anunciado, por um professor, na Gazeta de Boston (edição de 20 de março de 1728), um curso, com seu material para ensino e tutoria a distância. No século XIX, a Educação a Distância começa a existir institucionalmente. Segundo publicação de 30/7/2013, no site do jornal ESTADÃO, (http://www.estadao.com.br/noticias/cartas-foram-marco-inicial-no-ensino-a-distancia), no início do Século XX, os anúncios de cursos profissionalizantes por correspondência começaram a aparecer nas páginas dos seus classificados em 1909. Nos anos 1940, com a popularização do rádio e dos eletrodomésticos, se difundiram os cursos de eletrônica e rádio por meio das chamadas "cartas-aula". A oferta de cursos técnicos a distância nas áreas jurídica, de contabilidade e finanças começou na década de 1970. Esses cursos por correspondência começaram a ganhar um pouco mais de sofisticação na década de 80, quando algumas instituições já ofereciam, além do conteúdo impresso, fitas de áudio e vídeo e possibilidade de interação por telefone para solução de dúvidas, além de outros materiais didáticos complementares. Em 1996, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) reconheceu a Educação a Distância como modalidade de ensino. De acordo com Maria L. Mata, em seu texto Educação a Distância e Novas Tecnologias, publicado na edição nº. 123/124, de mar/jun. de 1995, do periódico Tecnologia Educacional:

A EAD é uma alternativa tecnológica que se apresenta em nível mundial e, especificamente, na sociedade brasileira, como um caminho privilegiado de democratização da educação e que muito pode colaborar para a humanização do indivíduo, para a formação do cidadão e para a constituição de uma sociedade mais igualitária e justa. No contexto da sociedade tecnológica é, sem dúvida, uma alternativa de grandes potencialidades, no sentido de facilitar o acesso a uma melhor qualidade, ultrapassando as barreiras de tempo e de espaço. (Rio de Janeiro, v.22, p. 8-12).

Atualmente, sabe-se que mais de 80 países, em todos os continentes, apostam na EAD, em todos os níveis de ensino, atendendo a milhões de estudantes. Não seria diferente entre as instituições de ensino do Brasil, como o IF Farroupilha, que possibilita a pessoas, que se encontram afastadas dos bancos escolares, o acesso à formação profissional qualificada. Observa-se que muitos de nossos estudantes da EAD são trabalhadores em tempo integral, moradores de pequenos municípios, com dificuldades de deslocamento para os grandes centros de ensino. Nestas localidades, onde estão sediados os Polos de Educação a Distância, existem poucas ou nenhuma Instituição de Ensino que ofereça educação profissional de nível técnico de forma gratuita, ou existe de forma exclusivamente presencial, não atendendo a demanda de um público que precisa conciliar trabalho, família e estudo. Os estudantes de cursos EAD, por seu perfil diferenciado, demonstram mais autonomia e compromisso com a própria formação, apesar de muitos enfrentarem dificuldades iniciais de adaptação à modalidade. Ao concluírem o curso, estarão em plenas condições para enfrentar o mundo do trabalho. De agora em diante, uma reestruturação faz-se necessária na EAD do IF Farroupilha, considerando que a formação de nossos estudantes deve ser processual, flexível e contínua, também os processos didático-pedagógicos, pelos quais passam o ensino e a aprendizagem devem ser aperfeiçoados. O primeiro passo, então, é conhecer a realidade dos Cursos ofertados até agora, e traçar um planejamento de execução em busca de qualificação da EAD, no IF Farroupilha.

 

Anexos:

registrado em:
Fim do conteúdo da página